. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Terça-feira, 16 de Dezembro de 2008

O Sidonismo

 

Dia 14 de Dezembro assinalou-se o 90º aniversário do assassinato de Sidónio País nas imediações da Estação do Rossio, às mãos de um republicano fanático, José Júlio da Costa, que, à boa maneira estalinista, acabou os seus dias no Hospital Miguel Bombarda sem nunca ser julgado.

De Sidónio, guarda-se para a posterioridade as suas pretensas últimas palavras "morro bem, salvem a pátria", embora haja quem garanta que a última coisa que disse foi um bem mais prosaico "não me apertem, rapazes"...

Compreender o fenómeno Sidónio País, é lembrar-nos do manicómio colectivo em que se transformou Portugal com a república, da nossa entrada na Guerra, da fome e da contestação social. Sidónio foi um "outsider", gozando por isso da popularidade inerente a quem não tem que prestar contas do seu passado. A ele não eram associados os cadáveres que se amontoavam nas ruas imundas, nem aos sucessivos golpes e contra-golpes mais ou menos palacianos, nem aos confrontos armados a que não faltavam assassinatos indiscriminados. O terror da república fez emergir um professor catedrático de Matemática, com uma carreira militar modesta, que tinha sido ministro plenipotenciário (embaixador) na Alemanha de Guilherme II e que deu os primeiros passos na política apadrinhado por Brito Camacho. Chegou ao poder através de um golpe militar (provavelmente por esse motivo passou a usar sempre a farda militar) no entanto foi o primeiro e o único presidente da República a ser eleito até 1976. O período em que esteve na presidência não ultrapassou um ano, no entanto foi o suficiente para inspirar gerações e gerações pela sua aura de salvador. Fernando Pessoa chamou-lhe o "Presidente-Rei" pelo cariz presidencialista que incutiu à política potuguesa e pela pose magestática, não obstante a sua afabilidade com o povo e o fascínio que despertava nas mulheres.

De Sidónio dizia-se que seria uma germanófilo e, à posteriori, alguns afirmaram que seria um percursor dos "caudilhos" europeus, à boa maneira de Mussolini, Hitler ou Franco. Penso que sobrestimam Sidónio. Na minha opinião tratou-se de um epifenómeno, sem qualquer programa ou projecto de governação. Foi um improviso, que funcionou como uma lufada de ar fresco na podridão da politica repúblicana. Se não tivesse sido assassinado, teria sido deposto por um golpe, seja ele militar ou palaciano. Não teve tempo para sair da sua "primavera", ao contrário de Marcello Caetano que só conheceu o seu "inverno" porque não morreu em 1969.

O funeral de Sidónio foi uma manifestação como nunca se tinha visto em Lisboa. Desde gritos pungentes, desmaios e mortes, o envolvimento genuíno das massas supera tudo o que possamos imaginar. Digo-o não porque o tenha lido ou por sugestão minha, mas porque me contaram na primeira pessoa. Em 2000, no Estoril, tive oportunidade de falar com uma senhora amiga de família, entretanto já falecida, que contava então com quase 100 anos. O seu pai era um pequeno comerciante na Travessa dos Remolares, ao Cais-do-Sodré e esteve presente no cortejo fúnebre que levou o féretro do presidente assassinado até ao Mosteiro dos Jerónimos. 

Não obstante a sua idade, a srª Maria Duarte deu-me a maior lição de História da minha vida.  

 

  

música: sidónio país, sidonismo
publicado por Rui Romão às 23:04
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds