. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Domingo, 21 de Dezembro de 2008

O Natal

 

Não haverá em todo o mundo festa mais universal do que o Natal. Embora seja uma celebração com um cunho marcadamente cristão, o seu significado expande-se um pouco pelos quatro cantos do mundo, independentemente da conotação religiosa que lhe queiram dar.

Mas afinal, desde quando se celebra o natal. O vocábulo provém do latim "natalis" que significa nascer. E porquê associar a festa do nascimento ao dia de Natal? Ao contrário do que se possa pensar, o natal é celebrado há muito mais tempo do que aquele que se assinala no calendário cristão. E é impossível fixar uma data, até porque são inúmeros os vestígios de celebrações natalícias, inclusivamente durante o império romano (as conhecidas saturnais, em honra de saturno). 

Deixando de parte o aspecto religioso, o Natal representa a celebração do solstício de inverno. Os povos comemoravam o nascimento neste dia, porque era o marco que assinalava o renascimento. Os dias começavam a ser maiores, os campos começavam a verdejar, era a natureza a retomar o esplendor perdido com o Outono. Era o triunfo da luz sobre as trevas, e por isso é que se chamava a festa do nascimento.

Assim, o Natal nasceu como um festa pagã, a que os cristão em vez de proibir deram-lhe uma conotação religiosa, associado a efeméride ao nascimento de Jesus Cristo, apesar de não existir nenhuma evidência que comprove que nasceu naquele dia. Bem pelo contrário, de acordo com a exegese bíblica, Jesus Cristo só poderia ter nascido na Primavera ou no Verão. 

Ao natal estão associados diversos símbolos, desde a estrela que conduziu os reis magos à gruta de Belém onde nasceu o menino, e que serviu de inspiração à construção de presépios que representam Jesus deitado nas palhinhas, acompanhado por Maria e José.

Outro símbolo do Natal é a famosa árvore de natal. Trata-se de uma tradição alemã, trazida para Portugal pelo Rei D. Fernando de Saxe-Coburgo Gotha, que à semelhança do seu primo Alberto (casado com a Raínha Vitória), adoptou este símbolo na quadra natalícia. Não demorou muito até que os seus súbditos seguissem o seu exemplo e assim se difundiu a tradição da árvore de Natal. Diz-se que nos principados alemães existia a tradição de decorar as árvores de folhas caduca, por forma a espantar os espíritos maus que se apoderavam delas no Outono e as deixavam sem folhas.

Não poderia terminar este post sem falar do Pai Natal. Ao contrário do que se possa pensar, o Pai Natal existiu mesmo. Tratava-se de São Nicolau, Bispo de Mira, que viveu no século IV e que se dedicou à ajuda de crianças. É difícil distinguir os factos das lendas, mas são vários os testemunhos da sua preocupação com o bem estar físico e moral das crianças. Em 1931, a Coca Cola resolveu vestir o São Nicolau com as suas cores, e transforma-lo no Pai Natal que na noite da consoada desce pelas chaminés para dar presentes às crianças, e assim proporcionar-lhes momentos de felicidade.  

Mas afinal o que é o Natal? Resume-se a uma simples frase: é a celebração da família sagrada. E essa família sagrada, não é mais do que aquela que nós sentimos como nossa. São aqueles que nos são mais próximos, e com os quais gostamos de partilhar a celebração máxima do rito familiar.

 

Feliz Natal

música: natal, cristianismo, festas religiosas
publicado por Rui Romão às 12:43
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds