. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Terça-feira, 3 de Março de 2009

O Poder da Burguesia

Há pouco mais de 30 anos, em plena loucura socializante, existiam algumas palavras que "queimavam a língua", entre as quais: Pátria, Nacionalismo e Burguesia. No caso dos "burgueses", reais ou imaginários, quando o rótulo "colava" era um bom princípio para uma visita das forças do Copcom com um mandato de captura "a la minute" assinado pelo Otelo...

No entanto o significado do termo é uma degeneração da sua conotação primitiva. Na organização feudal a burguesia pertencia ao Terceiro Estado, ou seja ao Povo. Foram os burgueses mais esclarecidos os grandes impulsionadores das revoluções liberais que colocaram um ponto final num feudalismo agonizante, começando pela "glorious revolution" de 1688 que implementou o parlamentarismo inglês, ou a revolução americana de 1776 e ainda (a mais conhecida) a Revolução Francesa.

Em Portugal, foram também meia-dúzia de burgueses mais exaltados, bem sucedidos financeiramente com a política de fomento de Fontes Pereira de Melo, que urdiram o 5 de Outubro. É o que eu chamo a "Burguesia das Avenidas Novas", por oposição à Lisboa estabelecida que dominava o país, como Eça demonstra de uma forma sublime, "o país estava todo entre a arcada e São Bento". Curiosamente a próxima "leva" de burgueses, saída do consulado cavaquista, optou pela zona oriental de lisboa (vulgo Parque das Nações) para montar os seus escritórios e casas particulares.

No fundo não é difícil de explicar o motivo pelo qual este grupo assumiu uma posição de destaque nestes movimentos. Tratava-se da massa critica do povo, que conseguiu subir a pulso na vida mas que não encontravam o devido reconhecimento nomeadamente no acesso aos cargos de poder. É a oposição entre os detentores do poder e do capital e, quando o fosso é grande, a revolução encontra terreno fértil.

Actualmente os neo-burgueses já se aperceberam de que não necessitam de estar fisicamente no poder (até porque é profissão mal remunerada), basta, para tanto, que o influenciem de acordo com os seus interesses. E para tal contam com instrumentos de lobbying  mais ou menos sofisticados que vão desde o financiamente de partidos, à contratação de ex-ministros bem relacionados, à promoção de eventos mediáticos, etc, dispensando a dedicação à coisa pública e as maçadas associadas.

No início do século não era dinheiro que procuravam (até porque já o tinham) mas prestígio numa sociedade onde o "berço" ainda tinha muita força social. Actualmente as classes sociais já se encontram mais esbatidas (embora existam demarcações claras) pelo que a necessidade de prestígio já não surge associada ao poder mais sim à riqueza e aos seus símbolos. Esses sinais distintos reflectem-se em coisas  díspares mas assumem especial relevância no consumo, porquanto que se trata de um terreno onde a demarcação de classe (pelo menos financeira) é mais clara e mais difícil de esbater.

 

publicado por Rui Romão às 19:28
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds