. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Domingo, 4 de Outubro de 2009

Breve História do Comunismo - Dos Primórdios à Revolução de Outubro

 

 

Seria no mínimo pretensioso tentar abarcar em 5 posts a história exaustiva daquilo que foi um dos movimentos ideológicos mais complexos e com maior impacto à escala planetária durante o século XX. Não é esse o objectivo. Com esta pentalogia pretende-se expôr apenas aquilo que foram os principais marcos que o moldaram, investindo particularmente na componente ideológica e nos alicerces das várias tendências que ainda hoje podemos identificar nas estruturas comunistas.

Declaração de interesses: não perfilho dos ideais comunistas, embora me interesse pelo fenómeno deste os tempos de estudante de liceu, altura em tomei contacto com a obra de Marx e Engels. No entanto, considero que o Partido Comunista continua a ter um papel funcional a cumprir, embora estranhe o anacronismo ideológico do congénere português por comparação com outros partidos comunistas europeus. Também é verdade que todos os partidos comunistas que se reformularam acabaram por se diluir nos  partidos socialistas e trabalhistas, como foi o caso da Itália com Berlinguer, da França com Georges Marchais ou da nossa vizinha Espanha com Santiago Carrilho.

Quando falamos de comunismo, a primeira interrogação surge a propósito das suas origens. Existem várias posições, desde os que defendem que teve a sua génese com a "República de Platão" até aos que a situam com a Revolução Russa de 1917. Pelo meio existem três factores que considero os fundadores deste sistema: A Revolução industrial, a Revolução Francesa e a Comuna de Paris de 1871.

Sem dúvida que o mais importante foi o eclodir da Revolução Industrial na Inglaterra do século XVIII  - que se ficou a dever ao aparecimento da máquina a vapor -  e que depressa se disseminou na Europa e na jovem república norte-americana. Esta nova tecnologia veio permitir a construção de verdadeiros colossos industriais que se caracterizavam, sobretudo, pela necessidade de mão-de-obra intensiva. Estavámos numa era em que o grande desafio estava na produção. No dealbar da mecanização, bastava produzir para ter garantidas vendas, logo, tentava-se produzir ao máximo e pelo menor custo. O resultado desta corrida febril pela "produtividade" foi a exploração de uma mão-de-obra que trabalhava até ao limite da sua capacidade física. Esta nova classe - o Proletariado - sujeito a salários de miséria e vivendo em condições de vida precárias, eram na sua maioria trabalhadores que abandonaram o mundo rural para se fixar nas cidades em busca de uma vida  melhor. Habitavam espaços lúgubres e despojados de qualquer conforto nas zonas envolventes das fábricas, tendo sido este cenário um campo fértil para o aparecimento de movimentos contestatários.

Embora tenham aparecido ainda numa fase precóce alguns "agitadores"  que se insurgiram contra o seu status quo, a tomada de consciência para a importância da luta social é adquirida  com a Revolução Francesa de 1789. Este acontecimento, marca indelével da criação do Estado Moderno, veio criar uma onda de agitação por toda a Europa. O movimento operário vai beneficiar deste clima, juntando à luta desencadeada contra o absolutismo real, a luta contra o patronato, ou seja contra os "burgueses" como pejorativamente eram referidos.

Com a revolução vieram as guerras napoleónicas que varreriam a Europa de Lisboa a Moscovo, e apenas com a paz, saída do Concílio de Viena (1815), puderam os trabalhadores continuar a sua luta.

É neste contexto que surge em Paris um jovem filósofo de nome Karl Marx, acompanhado pelo seu inseparável amigo Friedrich Engels (este último curiosamente um industrial), ambos exilados da sua  Alemanha natal na sequência da sua actividade jornalística considerada subversiva.

Participam e redigem, em 1848, o Manifesto do Partido Comunista, que serviria de base à criação da Iª Internacional. Este primeiro movimento era bastante compósito, abarcando várias tendências socialistas, anarquistas e sociais democratas, pelo que depressa se desintegrou face às diferenças ideológicas que se achavam em confronto. No entanto, esta Iª Internacional desempenhou um papel importante na agragação das correntes que dariam origem à Comuna de París, no day after da derrota francesa na guerra franco-prussiana. A revolta popular eclodiu na razão das condições humilhantes impostas à França para celebrar o armistício. Foi a génese do que se haveria de passar em  Versalhes, após a guerra 1914-1918 (embora em sentido oposto), e que abriria caminho à ascensão meteórica de um jovem cabo, que escapou à morte quase por milagre no primeiro conflito mundial, de seu nome Adolph Hitler.

Marx , que assistiu in loco à comuna parisiense, acabou por ser o grande integrador do movimento que se uniu em torno da IIª Internacional fundada em 1889, e onde a doutrina oficial Marxista era a referência incontestável, deixando de parte alguns grupos integrantes da Iªinternacional, como anarquistas e sociais democratas.

Esta Internacional não resistiu à Grande Guerra, porque a fidelidade às pátrias em conflito foi maior que a fidelidade ao projecto pan-comunista. Começando na grande instigadora do conflito, a Alemanha, onde Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht, fundadores da liga Spartakista - movimento esquerdista que se opôs à jovem república de Weimar -  se mantiveram fieis à sua pátria, traindo o espírito da Internacional.

A mais importante de todas as internacionais foi, contudo, a 3ª ou Comintern, já sob a batuta da emergente Rússia, saída da revolução de 1917.    

publicado por Rui Romão às 18:14
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds