. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Quinta-feira, 12 de Abril de 2007

Portugal e o Meio

Ao longo da história, o meio físico representou sempre uma condicionante à actividade humana. Desde os tempos do nomadismo até à sua sedentarização, o Homem sempre procurou os locais mais propícios à sua sobrevivência, influenciando  e transformando este meio mas também deixando-se influenciar. Portugal é exemplar nesta mútua relação Homem-Natureza. As nossas idiossincrasias influenciaram de uma forma determinante os povos com os quais nos relacionámos, desde a costa africana ao Brasil, de Macau a Timor. O conceito de Luso-Tropicalismo, definido por Gilberto Freire, reflecte esta forma de estar tipicamente portuguesa, que se traduz numa convivência pacífica com povos de outras culturas, passando pela miscegenação e pela receptividade em acolher no nosso código de valores influências externas.

Alvitro a hipótese de este fenómeno se dever à nossa posição geográfica no extremo ocidental da península. Os povos que chegavam à península ibérica, muitas vezes para escapar a conflitos noutros pontos da Europa, estavam condenados a viver com aqueles que já cá se encontravam, uma vez que o mar funcionava como uma fronteira inexpugnável. Foi assim que quando chegaram os Celtas rapidamente se miscegenaram com os Iberos e assim surgiram os Celtiberos. Os Lusitanos, nosso antepassados remotos, não eram mais do que Celtiberos que habitavam nesta faixa ocidental, numa localização relativamente próxima daquela que hoje se apresenta o território português.

O exemplo máximo deste luso-tropicalismo é o Brasil, apontando como um exemplo de convívio entre as diferentes raças, bem diferente da experiência norte-americana de colonização britânica ou mesmo espanhola.

Outro caso paradigmático da influência do meio natural no nosso país trata-se da localização das nossas principais cidades. Todas, sem excepção, se situam na margem norte do rio que banha as suas margens: Setúbal situa-se na margem norte do Sado, Lisboa do Tejo, Coimbra do Mondego, o Porto do Douro e Viana do Castelo do Lima. Não se trata de uma coincidência. O nosso país formou-se social e economicamente através das cruzadas para a Terra Santa. Os navios, vindos do norte da Europa, atracavam nos nossos portos para fazer a aguada, ou seja para se abastecerem de água e víveres para prosseguirem viagem. Só na região do Porto existiam, em meados do século XI, milhares de cabeças de gado destinadas aos cruzados que chegavam às margens do Douro. Vem daí a alcunha de tripeiros, porquanto que as vísceras, que não poderiam ser conservadas com sal, eram a única parte do animal que os habitantes guardavam para a sua própria subsistência.

As cidades desenvolveram-se na margem norte dos respectivos rios devido às condições de navegação mais propícias. O território Português é assolado, principalmente, por ventos que sopram em direcção a norte (a chamada nortada), daí que, para embarcações que tinham no vento a sua força motriz, seria muito mais fácil atracar na margem norte do que na margem sul. A única excepção a  esta lógica é Caminha, mas tal deve-se ao facto de para lá do Rio Minho já não ser terra portuguesa.

O Terramoto de 1755, embora noutra dimensão, espelha a forma como a natureza pode mudar a configuração de uma grande cidade (como já era Lisboa na altura). A nova Lisboa já é uma cidade virada para o iluminismo, construída sobre os escombros de uma Lisboa de traça medieval. 

Não me arrisco a especular sobre quem influencia mais quem: se o Homem a natureza ou se a natureza o Homem. Agora não tenho a menor dúvida que, por mais que seja a evolução científica e tecnológica, jamais o Homem diminuirá a sua dependência ao meio, nem o meio será completamente incontrolável para o Homem.

publicado por Rui Romão às 19:00
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds