. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Domingo, 14 de Junho de 2009

Geneologia Empresarial

 

 

Até há um par de anos, os casamentos aristocráticos eram muito mais do que um vínculo entre duas pessoas. Pressupunham relações de poder e tinham uma função política importante. Só recentemente, os príncipes europeus romperam com essa tradição e começaram a escolher com quem queriam casar. Filipe de Espanha, por exemplo, será o primeiro monarca espanhol a escolher a rainha.

 

No mundo empresarial, a situação era em tudo idêntica. As grandes famílias do capital celebravam laços de matrimónio entre si, por forma a garantir um equilíbro de forças entre os que prosperavam com o condicionamento industrial salazarista. É evidente que existem outros factores que propiciam este encontro, desde logo porque estas famílias frequentavam o mesmo ambiente mundano, que proporcionava a este micro-cosmos uma proximidade reforçada.

 

As três grandes famílias empresariais do Estado Novo: Os Mello, Champalimaud e Espírito Santo formavam como que um um triângulo endogâmico, sustentado na teia de interesses que os envolvia. O caso mais paradigmático foi o aparecimento dos Mello no mundo dos negócios. Manuel de Mello, descendente dos Sabugosa e dos Cartaxo, foi uma figura improvável neste meio mas com grande destaque no universo empresarial português. Tímido, sem grande perfil de indústrial, descendente da nobreza de sangue, teve a sua rampa de lançamento ( e que rampa!) com o seu casamento com a única filha do industrial Alfredo da Silva.

 

No início do século, a sucessão nas empresas fazia-se por via da varonia. Ainda hoje é um pouco assim, senão vejamos o caso de Américo Amorim que se lamenta com o facto de só ter tido filhas, não existindo um varão para lhe suceder...

 

Alfredo da Silva só teve uma filha, pelo que para lhe suceder à frente do colosso CUF, tinha que assegurar um genro que lhe permitisse continuar o seu legado. Reveste-se de lenda a célebre pergunta que Alfredo da Silva fez a Manuel de Mello "casa-se também com a CUF"? 

A resposta foi positiva e foi isso que trouxe o apelido Mello para o mundo empresarial.

 

Por sua vez, Manuel de Mello teve quatro filhos: Jorge, Maria Cristina, Amélia e José Manuel, que por casamento haveriam de se cruzar com Champalimaud e Espírito Santo.

 

Maria Cristina casou-se com António de Somer Champalimaud. Este casamento haveria de se revestir de capital importância, pelo apoio que Manuel de Mello deu ao seu genro no início da sua actividade industrial. Era seu objectivo "trazer" Champalimaud para o universo CUF, no entanto cedo se apercebeu que o seu genro tinha um projecto empresarial próprio.  O reconhecimento do papel industrial de Champalimaud, nomeadamente na Siderurgia Nacional, haveria de merecer o comentário de Manuel de Mello num bilhete endereçado ao genro, onde se podia ler que o seu papel na indústria apenas poderia ser comparável ao do seu sogro, ou seja Alfredo da Silva. O industrial emoldorou o bilhete, que lhe deve ter dado especial gozo tendo em conta relação tensa que manteve com os cunhados, a contrastar com a cordialidade que pautou a sua relação com o sogro. 

 

A filha mais nova de Manuel de Mello casou-se com José Maria Espírito Santo Silva, e  assim as 3 famílias se uniram pelos laços do matrimónio.  

 

Após o 25 de Abril e as nacionalizações gonçalvistas de 1975 estas famílias mantiveram-se unidas no infortúnio. O Brasil foi o seu destino de eleição, tendo conseguido nos 3 casos refazer os impérios empresariais com a abertura cavaquista nos finais da década de 80 do século passado. Todos regressaram e têm actualmente nos seus descendentes a continuidade assegurada no mundo dos negócios.

 

E as dinastias continuam... 

publicado por Rui Romão às 14:14
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds