. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Quinta-feira, 11 de Março de 2010

O Vinho do Porto - As Origens

Para falar do Vinho do Porto, gostava de começar pela sua própria designação. Se as vinhas estão no curso do rio Douro, de Trás-os-Montes até  à Guarda, e se as caves estão em V.N. Gaia, porque motivo se chama Vinho do Porto? Se perguntarmos a um profissional de comunicação, provavelmente dir-nos-á que é uma questão de marca. A "insígnia" Porto é mais forte do que V.N.Gaia ao nível da sua projecção no exterior.

 

 

 

Este raciocínio é correcto do ponto de vista de marketing, mas completamente errado do ponto de vista histórico. A localização das caves na foz do Douro é compreensível pelo facto de ser o local onde o produto final seria escoado, seja para o mercado nacional, seja para o exterior, beneficiando da principal via de comunicação que era o Rio Douro. A fixação em V.N. Gaia é que será mais inusitada, pela importância comercial do Porto, que remonta ao tempo das cruzadas. O motivo para esta deslocação para a margem sul do Douro, imagine-se, decorre de uma decisão mais antiga do que a própria nacionalidade. A Condessa Dona Teresa, mãe do nosso primeiro Rei, deu ao Bispo do Porto, D. Hugo, o burgo do Porto, com as demais rendas e impostos que o clérigo e seus sucessores poderiam impôr ao povo. Este facto foi motivo de conflitos ao longo da história, a que nem os monarcas conseguiram pôr cobro. Para diminuir o poder deste burgo "Teocrático", D. Afonso III criou na outra margem da foz do Douro uma povoação a que chamou V. N. Gaia, por alusão à antiga Gaia, há muito desaparecida e que ficava bem distante da nova vila. Assim, concedido o foral, os mercadores e comerciantes de vinho do Porto - que já era a maior fonte de riqueza da região - deslocaram-se para a outra margem, num movimento em tudo análogo à deslocalização para aquilo que hoje se chamam "paraísos fiscais". Como sempre, as terras onde o único senhor era o Rei eram terras menos oneradas em impostos e em outras obrigações que caracterizavam o sistema feudal.  

Assim, o Vinho do Porto manteve a designação, mas não o local onde era produzido. No entanto, nem todo o vinho que se produz no Douro se designa por Vinho do Porto. Actualmente também se fala de vinho do Douro, mas esse  e outros assuntos ficam para o próximo post.

publicado por Rui Romão às 20:18
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds