. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Quarta-feira, 12 de Maio de 2010

O Erro de Afonso Costa

 

 

Afonso Costa (1871-1937) disse um dia que conseguiria acabar com a religião em Portugal em duas gerações. Haveria muito para dizer deste autêntico algoz, mas guardo para os seus biógrafos que, em ano de centenário da República, se têm afanosamente dedicado a este mister.

Deixo apenas duas notas: o envolvimento no regicídio (cujo processo desapareceu misteriosamente quando foi ministro da justiça do 1º governo da República) e a perseguição, de contornos hitlerianos, à Igreja Católica.

Não obstante, este fanático continua a ser benquisto em alguns meios republicanos, nomeadamente nas lojas maçónicas de cariz jacobino, onde não lhe faltarão certamante lisonjas nos discursos de Outubro do corrente ano.

Deixo apenas uma imagem que espelha o seu equívoco. 

 

 

publicado por Rui Romão às 19:26
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 9 de Maio de 2010

O Golpe de Estado do "Chico Fadista" e do "Oh Ai Ó Linda"

 

 A História dos países é em tudo igual à nossa história individual. Ou seja, é um percurso em que nos orgulhamos de algumas coisas que fizemos e nem tanto em relação a outras. Falando da nossa História, pessoalmente não tenho orgulho da forma como D. Afonso Henriques tomou Santarém e Lisboa (1147), como também não prezo as guerras fernandinas e afonsinas (Afonso V) e ainda menos o Pacto de Gramido (que pôs fim à Patuleia).

Mas nada se equipara à repulsa que sinto relativamente à agora centenária Iª República. Não é necessário evocar muitos episódios, porque a estatística é elucidativa: 45 governos e 8 Presidentes em menos de 16 anos! Dá uma média de um governo em cada 4 meses! Podería mencionar a perseguição à igreja, as lutas de rua que chegaram a banalizar o amontoado de cadávares, a camioneta fantasma, a censura, etc, mas a história era longa.

Mas na catástrofe que foi a Iª República, houve um episódio que supera tudo o que é expectável, mesmo para os parâmetros da República de Afonso Costa e do seu Partido "Democrático". Trata-se do governo que ficou para a história como o governo dos Cinco Minutos. A história tem tanto de simples como de rocambulesca. No dia 14 de Janeiro de 1920, António José de Almeida - o único político sério da Iª República -  nomeou Fernandes da Costa para o cargo de primeiro-ministro. Nesse mesmo dia, quando o governo recém-empossado se reunia no Terreiro do Paço para elaborar um plano de acção, dá-se uma invasão da sala por parte de uma turba capitaneada por dois boémios lisboetas: O "Chico Fadista" e o "Oh Aí Ó Linda".

Estes boémios faziam parte do chamado grupo da "Formiga Branca", uma força agitadora do Partido Democrático de Afonso Costa, sempre pronta para o trabalho de agitação com o propósito de derrubar governos que não fossem afectos ao partido.

Depois de ter sido agredido por essa multidão em fúria, o chefe de governo compreendeu que não tinha condições para se manter no cargo e saíu dali imediatamente para Belém onde apresentou a sua demissão do Chefe de Estado.

É esta a República que celebramos em Outubro de 2010!

publicado por Rui Romão às 19:45
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds