. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Domingo, 21 de Novembro de 2010

Toyota, Bimby e Karl Marx

 Pode parecer um pouco estranho o título deste post. Na realidade, é caricato fazer uma relação entre um dos mais influentes filósofos do século XIX e XX e uma marca de automóveis ou  um electrodoméstico com fins culinários (por sinal, confecciona uns pratos deliciosos).

Começando pelos carros japoneses dos anos 60, que por comodidade de exposição designo de Toyota, não eram carros particularmente inovadores, bem pelo contrário. Não tinham nenhuma componente de autoria própria, mas os japoneses conseguiam colocar nos seus carros a tecnologia criada por marcas francesas, alemãs e norte americanas e construir veículos com uma robustez fantástica.

Também Marx não foi propriamente inovador nas componentes da sua filosofia e teoria económica. Foi buscar a dialética a Hegel, a partir da qual construiu a sua teoria do materialismo historico e dialético (invertendo-a naquilo que ficou conhecido como a sua "Revolução Coperniciana"). Hegel, seu mestre, não deve ter aprovado.

O ideal socialista do ponto de vista teórico foi buscá-lo a Proudhon, o tal que disse um dia que "la propriété c'est un vol". Foi a este autor que foi "beber" os fundamentos da eliminação da propriedade privada e a construção de um socialismo igualitário.

A sua teoria económica deve um grande tributo a um inglês: David Ricardo. Este influente economista vai explorar a questão da distribuição da riqueza proveniente do trabalho e as assimetrias existentes nesta distribuição. O jovem Marx vai aproveitar esta reflexão para dissertar acerca dos fundamentos da sociedade capitalista, que o leva a advogar a eliminação do Estado, esse instrumento posto ao serviço das classes dominantes.

De Malthus retira a fatalidade da pobreza das classes mais baixas, inevitável segundo a teoria Malthusiana expressa na lei dos rendimentos decrescentes. Marx vai denunciar esta perversão do capitalismo e propor um modelo socialista, conducente a uma sociedade sem classes  

A teoria materialista e a forte componente crítica relativamente à religião (o ópio do povo marxista) é em grande medida obra de Feuerbach, que claramente influenciou a estrutura de pensamento de Marx.

Ou seja, tal como a Bimby, Marx foi uma excelente misturadora. Não inventou nenhum ingrediente, não propôs nada de novo, não adiantou absolutamente nada ao quadro teórico já existente. No entanto teve o mérito de "agarrar" neste saber teórico e conjugá-lo muito bem e de uma forma muito consistente. Também a bimby não inventou nem a farinha nem o sal, nem o fermento, mas se os colocarmos com conta, peso e medida conseguimos fazer um pão em 3 tempos.

Assim se construiu uma religião poderosa que influenciou indelevelmente a história do século XX mundial. Chamo-lhe religião porque se baseia numa relevação como fim último (ainda que terrena): uma sociedade sem classes. Ao contrário de outras religiões, e este foi o seu calcanhar de Aquiles, a sua revelação é etérea e comprovável através do regimes que vigoraram no século XX. Não nos remete para as calendas metafísicas da vida para além da morte e como tal não vingou. Foi por este motivo que a religião católica já resistiu dois milénios e o marxismo nem 80 anos. Hoje ainda existe a vulgata (a ideia da ideia que não atinge a transcendência, segundo o Pof. Barrilaro Ruas), mas a aventura do comunismo acabou com a queda do muro. Quanto à Bimby que eu saiba não se vislumbra, pelo menos nos próximos tempos, a queda do seu muro ...

publicado por Rui Romão às 12:50
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds