. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Sábado, 14 de Setembro de 2013

O 4 de Julho

A ideia de escrever este texto surgiu ontem, quando passei pela Avenida Barbosa do Bocage, uma das chamadas “Avenidas Novas” de Lisboa, o que me levou a reflectir sobre o que podia ter sido o século XX português se o desfecho de um atentado que ali teve lugar no dia 4 de Julho de 1937 tivesse sido diferente.

O local do crime ainda hoje está à vista de todos. Um palacete, hoje praticamente engolido pelos prédios que foram crescendo à sua ilharga, e que era propriedade de Josué Trocado, professor de música no Liceu Passos Manuel. Josué Trocado tinha uma capela na sua residência e nesse dia de manhã, um Domingo solarengo, o então jovem sacerdote Abel Varzim, preparava-se para celebrar a eucaristia para a família do professor, na presença de um convidado muito especial, o seu amigo António de Oliveira Salazar.

Quando o veículo oficial do estadista, um Buick, estacionou à porta do nº 96, deflagrou um engenho explosivo de grande potência que sacudiu autenticamente toda a avenida e artérias vizinhas. Ironia das ironias: a salvação de Salazar foi a grande dimensão das bombas, que acabaram por perder “eficácia” pelo impacto ser amortecido pelos colectores onde os bombistas as tinham colocado.

Salazar reagiu com frieza. Imperturbável, deslocou-se até à casa do seu anfitrião, onde fez questão de assistir à missa.

Como seria a História de Portugal se o ditador tivesse sucumbido? Teríamos regressado à balbúrdia da primeira República? Teria surgido um caudilho, à maneira de um Sidónio Pais? Perguntas que não têm resposta.

O que não duvido é que hoje, em plena democracia, o nome de António Oliveira Salazar estaria na toponímia de muitas ruas neste país, tamanha era a sua popularidade. Depois dos 16 anos sangrentos da República idealizada por Afonso Costa, o país estava exangue. Não resistia a mais revoluções nem contra-revoluções, onde se banalizavam atentados perante o descrédito a que éramos votados pela comunidade internacional.

A aprovação do rumo que Salazar estava a imprimir ao país era praticamente unanime, se exceptuarmos uma minoria de anarco-sindicalistas e dos comprometidos com a primeira república.

Ou muito me engano, ou Salazar concorreria com os célebres Almirante Reis e Miguel Bombarda nas ruas deste país.

publicado por Rui Romão às 23:19
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds