. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Domingo, 4 de Julho de 2010

A Arma Mais Poderosa do Mundo


Quem ler este título pensará que venho falar da bomba atómica ou de qualquer outro apetrecho destruidor de fins bélicos. Enganam-se. A arma mais poderosa do mundo é muito mais democrática do que uma bomba nuclear, ou para colocar em termos mais exactos esta questão, é potencialmente mais democrática. Falo-vos do conhecimento, e não preciso de fugir ao tema militar para ilustrar este raciocínio. Ao contrário do que se possa pensar, a vitória aliada não se deveu nem a uma supremacia numérica, nem material e muito menos científica. A grande mais-valia foi o conhecimento prévio de todas as movimentações das chamadas "Forças do Eixo" (Alemanha, Itália e mais tarde o Japão), através da decifragem das mensagem do seu sistema de codificação: o "enigma" (Alemanha) e o "magia" (Japão). Com uma equipa de 1500 perítos, os britânicos foram quebrando todos os código de segurança de ambos os mecanismos - considerados como inquebrantáveis pelos seus criadores - até ao mais complexo - o Ultra -  vantagem que durou até ao final da guerra.

Poderia dar inúmeros exemplos das vantagens decorrentes desse conhecimento, desde logo pela antecipação dos planos de ataque, localização de submarinos e vasos de guerra, pontos fracos, dificuldades etc., para além de dar a possibilidade (aproveitada) de desenvolver campanhas de contra-propaganda. Destaco alguns episódios  caricatos, como por exemplo a colocação num cadáver em pleno mediterrâneo, de planos falsos, com o objectivo de convencer os alemães que a invasão a sul se daria pela Grécia. Tendo conhecimento, através das leituras das mensagens "enígma", que o inimigo tinha caído no engodo, poderam efectuar a invasão por Itália, enquanto que a Alemanha colocava os seus efectivos na Grécia. No norte de África, as tropas de Rommel, a famosa "raposa do deserto", tinham os seus ataques todos antecipados e combatidos. No dia D, mais uma vez os aliados puderam desembarcar na Normândia, porque sabiam que os alemães viam o desembarque como uma manobra de diversão para iludir um suposto verdadeiro embarque que estes foram levados a querer que seria em Pas de Calais.

Este exemplo é metáfora perfeita para a realidade de hoje. Quem tem conhecimento tem mais hipóteses de vencer. No entanto, não confundir o conhecimento com a informação. A informação é a matéria prima, que com a internet nunca esteve tão acessível. O desafio é trasformar essa informação em conhecimento útil para o nosso dia a dia.

Passámos da sociedade da informação para a sociedade da comunicação. Os meios de comunicação social já não são massificados e unidireccionais. Com a era digital o próprio utilizador também é produtor de conteúdos, não tendo que se submeter à ditadura de quem o produz. Os media tornaram-se mais democráticos, mas não para todos. Quem não está munido de saber útil, sofre uma espécie de darwinismo digital. Não sobrevive enquanto ser esclarecido nesta sociedade onde o saber é o trunfo mais importante

publicado por Rui Romão às 22:19
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds