. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Segunda-feira, 21 de Março de 2011

A Duquesa de Viseu

 

Existem algumas personalidades que apesar de terem sido muito reconhecidas na sua época, foram ao longo dos anos relegadas para um estatuto de anonimato. Hoje vou escrever sobre umas dessas figuras: D. Beatriz, Duquesa de Viseu. Mulher de Dom Fernando, afilhado e herdeiro de D. Henrique "o navegador", teve um papel decisivo na consolidação da monarquia portuguesa no espaço ibérico, abrindo ainda caminho para a grande glória da nossa História que foi a expansão ultramarina. O mais curioso é que esta mulher, apesar de ter sido talvez a mais poderosa da História de Portugal, nunca foi rainha. Não obstante, foi mãe de dois monarcas, ambos notáveis: Dona Leonor a fundadora das Misericórdias e D. Manuel "O Venturoso". Sendo assim, como foi possível esta mulher ter tido tanto poder? Em parte, pelo facto de o seu marido ter sucedido ao infante D. Henrique como mestre da ordem de Cristo e com este morreu novo foi D. Beatriz quem assumiu os destinos da Ordem na menoridade do seu filho varão - D. Diogo. De resto, este último não teve tempo para deixar o seu cunho à frente desta Ordem (que foi a grande dinamizadora dos nossos descobrimentos) porque na condição de chefe da nobreza portuguesa, esteve envolvido numa conspiração para matar o rei (D. João II), tendo sido sentenciado à morte pelas mãos do próprio rei ou de algum de seus algozes, em Setúbal.

O período em que D. Beatriz mais se destacou na condução dos destinos de portugal foi aquando da celebração do Tratado de Alcáçovas (1479), que ao contrário do que se escreve e se diz não foi um mero convénio de divisão do mundo. Foi antes de mais um acordo de paz na sequência da guerra da "Beltraneja". Em linhas gerais, este documento estipulava que o Rei de Portugal (D. Afonso V) reconhecia Dª Isabel como Rainha de Castela, mas que a sua filha casaria com o  filho do herdeiro do trono  - Infante D. Afonso, que viria a morrer numa (misteriosa) queda de um cavalo em Santarém. Para garantir que este acordo seria cumprido, os futuros noivos (então crianças) deveriam ficar à guarda de Dona Beatriz em Moura, no que ficou conhecido como as "Terçarias de Moura". É evidente que este acordo era bastante vantajoso para Portugal. Não fosse o infortúnio que bateu à porta de D.Afonso e este seria herdeiro de todos os reinos peninsulares e assim cumpria-se o sonho de uma união ibérica sob o comando de um Rei Português. 

O papel de D. Beatriz reduziu-se significativamente com a subida ao trono de D. João II (que era seu genro), em virtude do fortalecimento do poder real e da perda de influência dos nobres. Teve que suportar a dor do assassínio do seu filho - que assistiu em silêncio -  às mãos do príncipe perfeito, no âmbito desta mesma política de restabelecimento do poder real ao qual se opuseram os "grandes" do reino liderados pelo seu filho mais velho. Teve a consolação de ver outro filho seu - D. Manuel I - ser rei e pôde ainda assistir à sua glória com a descoberta do caminho marítimo para a Índia.

Uma grande mulher, porventura injustiçada pelos ventos da história. 

 

 

 

 

publicado por Rui Romão às 18:32
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Cristina Torrão a 26 de Março de 2011 às 15:07
Muito interessante. De facto, há figuras na nossa História que estão longe de ter o destaque que mereciam. E, tratando-se de uma mulher, o assunto é ainda mais cativante. É pena que não haja mais autores de romances históricos, que consigam trazer temas desconhecidos para a ribalta. Escreve-se pouca ficção deste tipo, mesmo sobre os temas/personagens conhecidos.
De Rita a 5 de Setembro de 2011 às 01:48
Infelizmente a História não lhe dá a importância que merece. Porém, existe um romance que é sobre D. Beatriz, gostaria de poder lê-lo :http://www.esquilo.com/rainha_velha.html

Comentar post

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds