. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Terça-feira, 20 de Setembro de 2011

Leonores, Guerras e Humilhações - Eis o Legado de D. Fernando

Camões no seu monumental poema épico não poupa encómios aos reis de Portugal, mesmo a alguns que não seria de esperar semelhante tratamento. Recordo-me de D. Sancho II, afastado do trono pela Santa Sé depois da guerra civil que travou (e perdeu) com o seu irmão (futuro D. Afonso III), que Camões não chama mau Rei mas apenas "mediano", i.e. os portugueses estavam habituados a grandes reis e aquele não era suficientemente bom. A excepção à regra, foi D. Fernando. O autor dos Lusíadas não deixou passar em claro a sua inaptidão, sendo sobejamente conhecido o verso " um fraco Rei faz fraca a a forte gente" que dedica a este monarca. 

Se tenho mais dúvidas na benovolência de Camões por outros monarca- para além do já citado D. Sancho II - nomeadamente D. Afonso V e D. João III, concordo inteiramente com o balanço do reinado deste Rei que ficou conhecido como o "Formoso". O título do post é um pouco provocatório mas resume no essencial o seu reinado.

Pau que nasce torto tarde ou nunca se endireita e o seu início de vida, marcado pela morte de sua mãe e os devaneios de seu pai (D. Pedro I, o tal da inês de Castro), devem ter tido influência no espírito fraco do Rei. Subiu ao trono em 1367 e não demorou 3 anos a envolver-se numa guerra com Castela, em aliança com o Reino de Aragão e com o Emir de Granada, contra Henrique de Trastâmara, que tinha subido ao trono depois de assassinar o seu meio-irmão Pedro "o Cruel". Para fimar a aliança foi acertado o seu casamento com a filha do Rei de Aragão: D. Leonor de Aragão...

No entanto a guerra esteve longe de nos correr de feição e como tal o Rei foi obrigado a assinar a paz com Castela, selado por um novo acordo nupcial que fazia letra-morta o anterior. Assim, D. Fernando tornou-se noivo de D. Leonor... de Castela.

A saga das "Leonores", não ficava por aqui porque entretanto o Rei enamora-se de D. Leonor Teles, fidalga que frequentava a corte mas que era casada... O povo de Lisboa revoltou-se contra esta atitude pecaminosa, mas o rei furtou-se e conseguiu casar com a sua amada. É compreensível que o Rei de Castela se tenha sentido enganado e decidiu invadir Portugal. D. Fernando foi buscar auxílio ao Reino de Inglaterra (vem deste acontecimento a célebre alianca luso-britânica que ainda hoje está em vigor) porque o segundo filho de Eduardo III, genro do falecido Pedro "o Cruel" constitui-se como pretendente do trono. A ajuda britânica não chegou a vir e o resultado foi mais uma derrota para as hostes portuguesas, em termos ainda mais duros com D. Fernando a ser cercado em Santarém e obrigado a rasgar o acordo com Inglaterra e a entrar uma vez mais na órbitra de Castela.

As guerras com Castela não se ficaram por aqui. Após a morte de Henrique de Trâstamara e a subida ao trono de D. João I, o iluminado D. Fernando achou que o reino vizinho estava numa posição de fragilidade que importava aproveitar com o "ressuscitar" da aliança com os britânicos. Enganou-se (uma vez mais) e esta aliança só foi prejudicial. Os ingleses enviaram uma esquadra para o Tejo para nos auxiliar na guerra com os castelhanos mas o mais próximo que estiveram da actividade bélica foi exercida contra os portuguesses numa canalha pilhagem a que se dedicaram durante a sua estadia. O Rei de Castela atacou bem no coração do Reino, com Palmela, Lisboa e Sintra a não serem poupadas. O tratado de Salvaterra acabou por ser benevolente para os britânicos. Foram-lhes concedidas facilidades de transporte para poderem regressar ao seu pais. O mesmo não se pode dizer das consequências para Portugal, que ficou com o seu futuro em perigo depois da aliança de casamento de D. João I com a filha única de D. Fernando (Dª Beatriz) e herdeira do trono.

Foi este triste tratado que deu origem à crise de 1383-85, mas também nos deu o pretexto para nos vingarmos em Aljubarrota de todas as humilhações frente ao exército deste mesmo D. João I de Castela. A diferença é que desta vez, em lugar do titubeante D. Fernando, havia um D. João I, Mestre de Aviz, e o seu condestável D. Nuno Álvares Pereira. Mais importante ainda, havia um povo unido em torno do seu Rei. O tal da Boa-Memória...             

publicado por Rui Romão às 17:26
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds