. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Quinta-feira, 6 de Outubro de 2011

A Morte de Gutenberg

Hoje, dia 6 de Outubro de 2011, tive conhecimento da morte de Steve Jobs, fundador e ex-CEO da Apple. Não me vou alongar na sua biografia até porque não a conheço em detalhe, mas é do conhecimento público o seu génio inventivo e a sua capacidade para imaginar e conceber produtos verdadeiramente revolucionários. Os mais conhecidos são o IPod, o primeiro produto que lançou depois de ter regressado à empresa que fundou, em 1996, o I Phone que transformou a nossa relação com o telefone móvel e, por fim o Ipad, o "gadget" mais recente mas aquele pelo qual, segundo o meu ponto de vista, Steve Jobs ficará na história.

Se os tablets do tipo Ipad vingarem (como eu acredito) reduzindo o papel impresso a uma expressão ínfima, eis o homem que ficará conhecido por ter derrubado a hegemonia de mais de cinco séculos de Gutemberg. Sei que pode parecer um tanto ou quanto radical este raciocínio, mas se repararmos na evolução da forma como fixamos o conhecimento, não consigo identificar outra inovação que tenha feito "perigar" o legado de Johannes Gutenberg, que no século XV inventou a imprensa através de caractéres móveis e permitiu a massificação e divulgação dos livros e o nascimento da Imprensa. Até então os livros eram todos manuscritos, tarefa a que se dedicavam sobretudo os monges copistas, com destaque, obviamente, para a reprodução da Bíblia Sagrada. Foi esta tecnologia que permitiu o nascimento da imprensa cujo nome ainda hoje designa a sua invenção, mesmo para outros meios como a TV e rádio e que é condição sine qua non para a existência de sociedades democráticas. Por isso mesmo, e pelo reconhecimento do poder da imprensa, os regimes totalitários quando se estabelecem não tardam em pô-la ao serviço dos seus desígnios. 

Esta invenção tem sido utilizada ao longo de todos estes séculos embora com constantes inovações que tornam a imprensa de hoje completamente computorizada e com uma grau de sofisticação que em nada se pode comparar com o que se fazia, por exemplo, há 20 anos. No entanto na sua essência não é diferente do que se verificava no século XV. Com o nascimento dos tablets do tipo Ipad da-se o passo que faltava na desmaterialização dos conteúdos, sejam livros, jornais, revistas, teses académicas, etc. Com a portabilidade que esta invenção oferece, não tardará que o mercado editorial seja dominado por e-books, o que é um fenómeno que já se encontra em franco crescimento. Quanto aos jornais, a sua versão para tablet substituirá completamente num prazo de 10 anos as edições em papel, e as revistas não durarão muito mais tempo.

E o papel vai acabar? Não, mas será um produto completamente diferente. Tal como hoje existe um mercado dos discos de vinil, continuar-se-ão a imprimir livros, mas serão sobretudo vocacionado para o coleccionismo e não tanto como objecto de consumo. Em 2011 este raciocínio parece muito futurista, mas se daqui a 20 anos alguém ler este post, estou convencido que o achará ridículo pelo seu anacronismo. Com o ritmo alucinante de inovações tecnológicas que se introduzem no mercado, a realidade superará em larga escala esta minha previsão.

Para tudo isto ninguém contribuiu mais do que Steve Jobs.

Que descanse em paz (1955-2011)    

publicado por Rui Romão às 08:23
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds