. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Quinta-feira, 3 de Novembro de 2011

D. Juan de Borgonha

File:Bandera de valencia de don juan.GIF

 

Não fica longe da fronteira portuguesa, na comunidade de Leão, um pequeno município chamado Valência de D. Juan. Olhamos para o brasão da autarquia e não deixa de nos chamar à atenção as quinas das armas de Portugal. Mas quem seria este don Juan?

Na realidade, sendo português, não se chamava Juan mas sim João e era filho de D. Pedro I e da bela Inês de Castro. Do relacionamento (não sei se lhe posso chamar casamento, embora tenha havido um bispo - D. Gil, Bispo da Guarda -  que o tenha jurado sobre os evangelhos) nasceram três filhos: D. Beatriz, D. João e D. Dinis.

Na presunção de legitimidade de casamento de Pedro e Inês, a crise de 1383-1385 deveria tê-lo tornado herdeiro do trono no lugar do seu meio-irmão, então Mestre de Avis. Mas tal não sucedeu devido a uma história com contornos sórdidos. Em 1379 o infante assassinou a mulher D. Maria Teles, que era irmã da rainha D. Leonor Teles. Aqui, consoante os cronistas, há diferentes interpretações para o sucedido: terá matado a mulher por uma crise de ciúmes, instigada pela sua cunhada Leonor Teles? Ou teria antes a ambição de se casar com D. Beatriz, filha de Dom Fernando, e assim assumir os destinos do Reino de Portugal?

Provavelmente foi uma conjugação das duas situações ou de uma outra que ficou nesse recôndito local da história onde se guardam grandes revelações mas que ninguém consegue aceder porque não ficou nenhum registo. O que é certo é que depois deste episódio, o infante exilou-se em Castela e não teve possibilidade de defender a sua posição quando o povo de Lisboa se revolta contra a rainha Leonor Teles e o conde Andeiro, que então governavam Portugal. Assim, o Mestre de Avis, habilmente, colocou-se à frente do povo e deslocou-se ao Paço de São Martinho (que no passado foi a cadeia do Limoeiro e hoje é o Centro de Estudos Judiciários) e, pelas próprias mãos, matou o Conde Andeiro. Depressa circulou o rumor que queriam matar o mestre e quando o povo de deslocou ao Paço de São Martinho e viu o Mestre automaticamente o proclamou Regedor e Defensor do Reino. Assumiu a vanguarda da resistência do povo português face a Castela e foi em 1384 aclamado Rei nas cortes de Coimbra, onde o Dr. João das Regras jogou um papel fundamental na defesa dos seus direitos, principalmente face aos filhos de Inês de Castro. Segundo o jurista, eram todos bastardos, pelo que este foi o ponto de partida para a sua consagração como Rei.

D. João, filho de Inês de Castro, não podia aceitar esta situação e cometeu um segundo erro: Incorporou a armada castelhana que invadiu Portugal mas que foi completamente destroçada em Aljubarrota.  Com esta derrota regressou a espanha, obtendo como prémio de consolação o Ducado de Valência de Campos onde construiu o seu Palácio e passou os seus últimos dias.

Hoje está completamente esquecido.    

publicado por Rui Romão às 20:04
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds