. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Quarta-feira, 7 de Dezembro de 2011

A Política Diplomática de D. Afonso IV

D. Afonso IV ficou conhecido na História com o cognome de "O Bravo". Refira-se que a expressão naquela altura não tinha o sentido que tem hoje. Não se tratava de um estado de fúria ou de exaltação mas de uma postura de valentia, de que este monarca não terá pedido meças a ninguém. No entanto, na política diplomática a sua postura foi sempre de um enorme pragmatismo, não raras vezes sacrificando o acessório para garantir o essencial. Foi assim na política com Castela, apesar da desconfiança quase doentia que o atormentou ao longo de todo o seu reinado relativamente ao reino vizinho. Começou por casar a sua filha D. Maria com o Rei Afonso XI  para garantir a estabilidade política numa península ibérica onde ainda se fazia sentir a presença moura - apenas  eliminada mais de um século depois com a queda de Granada em 1492.

Não obstante, o "Bravo" não hesitou em iniciar uma guerra com o genro, atendendo às queixas da Raínha que se sentia humilhada face à presença na corte da favorita do Rei - Dª Luisa de Gusmão - de cujo enlace nasceu a casa de Trastâmara, que reinou vários anos em Espanha. Essa guerra acabou sem que nada se alterasse no status quo quer na zona de influência de cada reino quer nos vexames que o castelhano infligia à filha do monarca português, mas houve uma clarificação de posições que ficaram plasmadas no Tratado de Sevilha. D. Afonso IV parece que nasceu destinado a conflitos militares com familiares, pois para além do seu genro, digladiou-se internamente com seu pai (na juventude) devido ao favoritismo que este dava ao seu filho bastardo, e com o seu filho (na velhice) devido ao episódio da morte de Inês de Castro.

No entanto, estes conflitos não obstaram a que se esquecesse do acessório (as rivalidades) em nome do interesse comum. Foi assim na Batalha do Salado, unindo-se a Castela para derrotar os mouros num confronto decisivo para cimentar a hegemonia cristã na península. Ou no assassínio de Inês de Castro, provavelmente como forma de impedir que o seu filho e sucessor se envolvesse na guerra civil que opunha os nobres castelhanos a Pedro "o Cruel", que era neto de Afonso IV e primo direito de Pedro de Portugal. O conflito terminou com a morte de Pedro "o Cruel" às mãos do seu meio-irmão Henrique de Trâstamara, filho de Afonso XI e da sua favorita Luisa de Gusmão (a mesma cuja influência na corte motivou a guerra que Afonso IV moveu ao genro). Foi talvez uma jogada pragmática, mas de uma crueldade que não pode ser esquecida, mas era este o modus operandi de "O Bravo". Foi também a primeira possibilidade de termos uma península ibérica unida sob a coroa de um monarca português. Tivemos mais duas hipóteses ao longo da nossa história, mas quis o destino que o infante D. Afonso (filho de D. João II) e Miguel da Paz (filho de D. Manuel) não vivessem o tempo suficiente para alcançar esse desiderato.    

publicado por Rui Romão às 19:04
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds