. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Sexta-feira, 9 de Dezembro de 2011

Tempo Histórico Vs. Tempo Cronológico - O Mito do Progresso Permanente

Que o século XX europeu foi uma sucessão de calamidades, poucos discordarão. Os conflitos sangrentos dos quais se destacam as guerras mundiais (que em bom rigor foram duas guerras civis europeias que se alastraram a outros teatros de operações) deixam para as notas de rodapé os progressos notáveis que se registaram nos mais varíadíssimos domínios, nomedamente científicos, culturais e políticos, e cujo impacto na qualidade de vida dos povos é inegável. No entanto, em jeito de síntese, eu destacaria o fenómeno do aceleramento do tempo histórico, numa evolução que marca definitivamente o desfasamento para o tempo cronológico. A prova de que essa diferença existe - e é mais acentuada do que nunca - é que os anos continuam a ter 365/366 dias mas as mudanças ocorrem a uma velocidade cada vez maior. Se olharmos para o progresso científico nesta primeira década do século XXI, não conseguimos encontrar paralelo noutra década da nossa história. Quem diria que estamos a começar a falar do fim dos jornais em papel como os conhecemos desde Gutemberg, ou do acesso à informação em tempo real em qualquer lado (num telemóvel ou noutro ecrã) o que até aqui implicava uma deslocação a uma biblioteca (que na melhor das hipóteses, continha 0,00000001% do conhecimento que existe hoje em dia na web)  ou na possibilidade de estabelecermos milhares de conexões com outras pessoas através das redes sociais à distância de um click. Para não falar nas mudanças estruturais nos restantes domínios, cuja enunciação seria sempre fastiosa e incompleta. 

 No entanto este optimismo é frequente e cruelmente interrompido por diversas calamidades, como doenças para as quais ainda não existe cura ou catástrofes naturais, que se encarregam de nos lembrar que somos "só" humanos e que não conseguimos controlar tudo. 

Podemos questionar até onde irá este progresso mas será ainda mais útil questionar com que velocidade é que se vai processar. Hoje ninguém diria o que, supostamente, o director de patentes dos EUA disse em 1899 quando afirmou que tudo o que podia ser inventado já o tinha sido, até porque já ninguém arrisca uma previsão a 20 anos. Isto porque temos provas de que o progresso tem também retrocesso. Acreditámos que o progresso económico seria constante e isso exprime-se, por exemplo, no jargão dos economistas que falam por vezes num crescimento...negativo! Jurou-se a pés juntos quea revolução das luzes iria ser o epílogo das religiões (Afonso Costa chegou a dizer que acabaria com a religião católica em duas gerações) e o fanatismo religioso está hoje mais pujante do que nunca. Ou seja, está longe de ser provada a tese de que o destino da humanidade é crescer permanentemente.

Não acredito neste axioma do crescimento constante mas também não perfilho nenhuma visão apocaliptica do fim da humanidade. Acho que  foge completamente à latitude da nossa capacidade preditiva,  e dificilmente conseguimos entrar numa discussão a este nível sem cair na especulação demagógica, cheia de conjecturas mais ou menos alucinadas. Recordo-me sempre de Albert Einstein que disse que não sabia como seria a 3ª Guerra Mundial (conflito hipotético entre EUA e URSS) mas que a 4ª seria com paus e pedras...

Eu, na condição de humano que conhece apenas uma ínfima parte do conhecimento gerado pela humanidade,  não tenho certezas. Formulo hipóteses que sei, à priori, terão poucas hipóteses de se confirmar. Certezas, só no campo dos afectos, e é por esse motivo que, neste dia tão especial, aqui publico este poema de Fernando Pessoa (Pai; D. Afonso Henriques in "A Mensagem"), e dedico a quem, pelo exemplo e modelo, devo aquilo que sou hoje.

 

Pai, foste cavaleiro

Hoje a vigília é nossa

Dá-nos o exemplo inteiro

E a tua inteira força!

 

Dá, contra a hora em que, errada,

Novos infieis vençam

A benção como espada,

A espada como benção!

 

 

publicado por Rui Romão às 17:42
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds