. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Sexta-feira, 10 de Agosto de 2012

Fernão Lopes - O Genial Cronista

Nestes dias não tenho feito outra coisa do que procurar algo que tenha a ver com Fernão Lopes. É uma busca quase doentia, animada pelo prazer da sua leitura, suprema recompensa! É pena, que seja tão dificil encontrar a sua obra nas livrarias. A última edição que tenho conhecimento é da Editora Civilização, e já data da década de 40 do século passado. A alternativa são os alfarrabistas, pagando a peso de ouro edições antigas.

Fernão Lopes é um cronista genial, de uma escrita cativante, mas que nuncas cede á tentação de embelezar a realidade com fantasias tão ao gosto da época. A sua preocupação em escrever a verdade é tão levada a sério que quando conhece mais do que uma versão dos acontecimentos, apresenta-as ao leitor sem tomar partido por nenhuma.

A vida de Fernão Lopes não é facil de reconstruir. O que se sabe dos documentos é que era Guarda-Mor da Torre do Tombo, ou seja era o responsável pelos documentos oficiais, que se reuniam numa torre do castelo de São Jorge, que se chamava de tombo, , que veio a dar tomo, e que significava livro, onde se fixavam as leis do reino e as colectas de impostos, de suma importância para controlo do erário régio. Não se sabe ao certo qual a data do seu nascimento, mas acredita-se que terá nascido por volta da crise de 1383-85. Amaioria dos autores convergem para a possibilidade de ser já nascido à data destes acontecimentos, desconhecendo-se, contudo, nem a sua filiação nem em que circunstância chegou à corte.

Já em idade avançada foi-lhe incumbida a tarefa de escrever as crónicas dos reis de Portugal, no reinado de Dom Duarte, ou seja quando este já ia na casa dos cinquenta anos, onde o cronista revela uma prosa completamente diferente daquela que era comum nas crónicas de então, não só em Portugal como na Europa. Atrevo-me mesmo a dizer que não conheço outro historiador que consiga descrever correctamente a realidade mas de uma forma cativante, empolgante, transportando o leitor para os acontecimentos que estão a ser narrados.

As suas obras foram a crónica de D. Pedro, D. Fernando e D. João (Iª e IIª parte).

Na crónica de Dom Pedro, revela-nos o carácter justiceiro do Rei, mas sem deixar de fazer afirmações polémicas, como a sua relação homossexual com o escudeiro Afonso Madeira, a quem el rei amava muito “mais do que aqui se deve dizer”, e a quem mandou cortar aquelas partes “que os homens em mor apreço têm”, por se ter relacionado com uma mulher casada. No caso do suposto casamento com Dª Inês de Castro, apresentando a versão dos factos, não deixa de referir aquilo que se dizia em surdina. O facto de nem o Rei nem Inês de Castro se lembrarem a data do casamento, o que para o cronista era estranho: como se podia esquecer data tão importante?

Na crónica de D. Fernando destaco a descrição da figura de Leonor Teles de Menezes, a quem chama de “aleivosa”, e do pusilânime D. Fernando, que mentindo ao povo de Lisboa, que se reuniu no largo de São Domingos para fazer ver ao Rei que era uma desonra casar com uma mulher já casada, fugiu para Leça do Balio, casando ai com a tal aleivosa. O povo, esse heroi omnipresente na prosa de Fernão Lopes, sofreu na pele o atrevimento, nomeadamenteo alfaiate Fernão Vasques, que tinha sido porta-voz do povo de Lisboa e que acabou no cadafalso. O drama de Dª Maria Teles, que foi assassinada pelo seu marido, infante D. João (filho de D. Pedro e Inês de Castro), vítima de uma urdidura montada por Leonor Teles”, também mereceu amplo destaque na crónica fernandina.

Contudo, a mais importante obra do genial cronista foi indiscutivelmente a crónica de D. João I, onde se relata a forma como a crise de 1383/185 conduziu a uma monarquia nova, por sinal a mais gloriosa da história portuguesa. No entanto, o Mestre, que deveria ser o heroi da obra, aparece muitas vezes diminuído, hesitante, quase como se fosse apenas um produto que o povo transformou num instrumento de luta contra a dominação senhorial, representada pelo Rei de Castela e os nobres portugueses que apoiavam as suas pretensões. Um exemplo da insegurança do Mestre é a forma como ele é desafiado por Álvaro Pais a matar o Andeiro, mas que este inicialmente recusa, e a forma como tenta sair do país depois de matar o valido da Raínha, sendo apenas demovido pelo povo de Lisboa. Fernão Lopes não deixa, no entanto, de salientar a sua faceta humanista, impedindo que a sanha revolucionária se virasse contra os judeus, salvos pelo mestre quando o povo de Lisboa, aliciado pelo proveitoso saque, se preparava para pilhar a judiaria. O caso da morte do Bispo também espelha a preocupação pela reposição da verdade do cronista, defendendo-o da acusação de estar ao serviço dos castelhanos (apesar de ser castelhano), acabando lançado da torre da Sé por não ter feito dobrar os sinos, como o povo lhe mandava enquanto acorria ao Paço de São Martinho para defender o Mestre, cumprindo o plano gizado pelo ex chanceler-mor de D. Pedro e Dom Fernando. O grande heroi da crónica, para além do povo, é Nuno Álvares. É dele que irradia todo o esplendor da alma portuguesa, glorificada na tarde de 14 de Agosto de 1385. É no campo de são Jorge, onde decorreu esta “ferida” batalha, que Fernão Lopes tão bem descreve, que ainda consegue encontrar espaço para uma tirada humorística. Conta-nos o cronista que depois da segunda investida castelhana começar a ser contida, alguns portugueses começaram a gritar “já fogem! Já fogem! E os castelãos [castelhanos], por não fazerem deles mentirosos, começaram a fugir cada vez mais!”

Melhor do que falar de Fernão Lopes, só ler a sua genial obra.

publicado por Rui Romão às 08:32
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds