. O 4 de Julho

. O ABC da Lealdade

. Viva o 25 de Abril...de 1...

. Mário Soares e a III (ou ...

. A Revolução de 1820

. O Longo Processo de Recon...

. A Maldição dos Primogénit...

. Uma Andaluza à Frente dos...

. A Páscoa

. O Herói dos Heróis

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Segunda-feira, 10 de Março de 2008

A História da Nossa Terra

A história dos países não se resume a grandes façanhas, como sejam revoltas, batalhas, conquistas,etc. A estrutura social não se transforma apenas com efemérides, com lugar garantido nas cronologias dos manuais de História. Para além desta "macro-história" existe uma história mais paroquial, mais próxima do cidadão comum, que contribui na mesma proporção destes factos marcantes para a evolução estrutural das sociedades. Neste sentido, entendo a História como um emaranhado de acontecimentos, alguns  factuais, narrados e escritos, outros que apenas figuram na crença, no mito, no mais puro imaterialismo. Uns marcantes, como a crise de 1383-1385 ou as revoltas liberais, outros mais ou menos votados ao anonimato, como a história local. No fundo, como uma mão invisível, transformam diariamente a nossa mundiviência, e isso repercute-se na forma como nos relacionamos com o meio, numa vertente mais lata, englobando a vertente social, política, económica e cultural.

Os grandes acontecimentos históricos do país estão à distância de qualquer manual de história, e estes são aos milhares. Monografias, cronologias, obras gerais, é profusa a oferta neste domínio. Contudo, existe um grande calcanhar de Aquiles na historiografia portuguesa, que se prende com a história local. Se porventura fosse feito um inquérito aos munícipes, quantos conheceriam a história da sua terra? Duvido que infelizmente não seriam a maioria.

Pessoalmente, tenho tido um percurso oposto ao que era comum até há um par de anos. Regra geral, nascia-se numa aldeia, partia-se depois para a vila ou capital de distrito mais próxima e depois uma grande cidade como Lisboa seria a última paragem.

Pelo contrário eu nasci e vivi a minha infância no centro de Lisboa. Na varanda da Avenida 24 de Julho, onde outrora se localizava o Aterro da Boavista, local amplamente divulgado nas obras-primas queirosianas, nasci para o mundo. Aos 10 anos a minha família mudou-se para o Dafundo, local não menos citado por Eça de Queiros, e, recentemente, fui residir para a Aldeia da Quinta do Anjo, no concelho de Palmela. Inverti a lógica Aldeia-Vila-Cidade para Cidade-Vila-Aldeia, embora um dia, provavelmente, regressarei a Lisboa, aquela que será sempre a minha terra. 

Confesso que a minha "diáspora" colocou desafios crescentes à minha capacidade de comprender o espírito da terra, mais do que uma história cronologicamente memorizada.

Quanto a Lisboa, a informação é abundante. O Dafundo já tem um leque muito mais restrito de informação, mas também igualmente cativante na prosa de Eça de Queirós. Talvez por esse facto, e pela sua mestria no retrato social, seja o meu autor de eleição e a charneira entre as minhas primeiras residências.

No caso da Quinta do Anjo, tomei conhecimento há pouco de uma obra da autoria de um "Montanhão", assim se designam os naturais da Quinta do Anjo, de seu nome Fortuna Matos, que no entanto não obedece, na minha humilde opinião, aos critérios de clareza que se impunham.

Contudo vou continuar esta minha pesquisa pela procura do meu Stº Graal, prometendo em tempo oportuno, escrever um texto exclusivamente dedicado à história da Quinta do Anjo.

Será o meu pequeno contributo para a história local, tão maltratada que está em Portugal

  

publicado por Rui Romão às 13:12
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds