. Em Defesa de D. Afonso He...

.arquivos

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.contador

Sábado, 14 de Março de 2009

Em Defesa de D. Afonso Henriques

 

 

 

Dizia Manuel Alegre, na sequência da visita do presidente de Angola a Portugal, que D. Afonso Henriques também não era um "democrata exemplar". Ou se tratou de um momento menos feliz do deputado-poeta ou então, mais grave, esta afirmação revela uma total ignorância histórica, que muito sinceramente não julgava possível em alguém com o seu percurso. Comparar a vida e o projecto de um homem que construiu um país com base em princípios éticos e morais inatacáveis como foi o caso do nosso primeiro rei, com um ditador que prospera há 30 anos numa opulência obscena, perante o olhar impávido e faminto de um povo é, no mínimo, patético.

Porventura Alegre gostaria que D. Afonso Henriques tivesse instituído o parlamentarismo em 1147 quando tomou Lisboa. Que tivesse promovido o recenseamento da população, marcasse eleições  para uma assembleia constituinte, por circulos plurinominais e com eleição segundo o método de Hondt. Que se tenha submetido aos representantes do povo, que lhe atribuiram os poderes e competências conforme a constituição. Que tenha construído tribunais de primeira e segunda instância, Imprensa livre, fomentasse o aparecimento de partidos políticos e desse condições à oposição.

Manuel Alegre, estamos no século XII. O parlamentarismo nasceu em 1688 com a Glorious Revolution e em Portugal chegou no século XIX. O Estado moderno, do ponto de vista funcional é uma herança da revolução francesa (Napoleão costumava dizer que não seria lembrado pela batalhas que ganhou mas pelo seu código civil), e teve vários estágios até chegar ao modelo que vigora nas democracias actuais.

Comparar estes tempos com Angola no século XXI é um perfeito dislate. Um país riquíssimo em matérias primas, com um território que equivale a mais de 14 vezes o de Portugal, mas que tem a má sorte de ser governado por uma elite de criminosos (Richard Branson dixit). No poder há 30 anos, o legado de Eduardo dos Santos  resume-se a uma corrupção generalizada, condições precárias das populações com escassez de alimentos e de condições higienico-sanitárias. Num país onde faltam hospitais, escolas, locais de lazer e cultura, sobra pouca-vergonha, da qual os políticos portugueses foram cúmplices na recente visita de Eduardo dos Santos. 

Se é este o modelo de político de Manuel Alegre, o melhor dos poetas "assim assim" segundo as palavras de Agustina,  porventura secundado por outros idealizados por grandes  "democratas" na linha de um Robespierre ou  de um Afonso Costa, então é caso para dizer que bem mereceu a derrota que o povo português lhe deu nas urnas.

publicado por Rui Romão às 09:40
link do post | comentar | favorito
|

.D. Afonso Henriques


.

.pesquisar

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.contador

.contador

blogs SAPO

.subscrever feeds